9 de janeiro de 2017

Resenha | A Biblioteca Invisível

Título: A Biblioteca Invisível (A Biblioteca Invisível #1)
Autor: Genevieve Cogman
Ano de publicação: 2016
Editora: Morro Branco
Número de páginas: 368
Compre: Amazon | Submarino
Sinopse: Irene é uma espiã profissional da misteriosa Biblioteca, uma organização que existe fora do tempo e espaço e que coleciona livros e manuscritos de diferentes realidades. Junto com seu enigmático assistente Kai, ela é enviada para uma Londres alternativa com a missão de recuperar um perigoso livro. Mas quando chegam, ele já foi roubado.
As principais facções do submundo londrino estão prontas para lutar até a morte para achá-lo, e a missão de Irene é dificultada pelo fato de que o mundo está infestado pelo Caos — as leis da natureza foram distorcidas para permitir a existência de criaturas sobrenaturais e mágicas imprevisíveis.
Enquanto seu novo assistente guarda seus próprios segredos, Irene logo se vê envolvida em uma aventura repleta de ladrões, assassinos e sociedades secretas, onde a própria realidade está em perigo e falhar não é uma opção.

No universo de A Biblioteca Invisível existem diversos mundos alternativos, cada qual com suas peculiaridades mágicas e tecnológicas. E há a Biblioteca, uma organização cheia de segredos que existe fora do tempo e do espaço, mas está conectada a todos esses alternativos. E os agentes, os Bibliotecários, têm a missão de resgatar livros específicos nesses alternativos. E eles podem usar a Linguagem, uma espécie de magia que funciona com comandos do idioma específico da Biblioteca.

Irene é uma dessas agentes, e sua missão atual é resgatar uma cópia dos contos dos Irmãos Grimm em uma Londres alternativa. Ao chegar ao local com Kai, o aprendiz misterioso que deve treinar, pensa que não passa de uma missão comum e tranquila. Entretanto, o livro que devem pegar foi roubado, e Irene e seu aprendiz se veem cada vez mais enredados em mistérios e perigos.

Em resumo, A Biblioteca Invisível é uma aventura de fantasia com investigação policial ambientada em um universo steampunk — e ainda há sociedades secretas. Ou seja, diversos elementos de que eu gosto em uma única história (tanto que o livro ficou entre os melhores de 2016). E todos esses elementos são bem utilizados para compor o enredo, que equilibra bem momentos de ação, reflexão e mistério.

A narrativa me enredou. É uma narrativa simples, mas que foi eficiente em me fazer sentir dentro da história, e em vários trechos é possível sentir a voz de Irene — apesar de ser uma narrativa em terceira pessoa, a história é contada inteiramente pelo ponto de vista dela. A autora larga infodumps aqui e ali para explicar o funcionamento da Biblioteca e da Linguagem, mas mesmo isso não me tirou da história, justamente por essas informações virem com a voz da personagem. Ademais, tem um tom mais descontraído e, em alguns trechos, um pouco irônico, o que tornou a leitura ainda mais agradável.

E, falando em personagens, gostei bastante deles. Não posso dizer que são poços de profundidade, mas a caracterização é satisfatória e coerente com o universo do livro. Claro que Irene é a melhor explorada, mas os demais também têm seus mistérios a revelar, e eu gostei de Vale, o detetive que passa a ajudar a protagonista em dado momento da história.

A ambientação me agradou bastante também. Como já mencionado, é um universo steampunk (o que significa que há zepelins e centopeias mecânicas), mas tem vampiros, lobisomens, feéricos e todo tipo de criaturas mágicas. E, embora poucos personagens feéricos tenham aparecido ou sido mencionados, e essa parte não ter sido tão explorada nesse volume, deu um toque a mais à ambientação, além de os poucos detalhes apresentados serem coerentes e sugerirem relações interessantes entre essas criaturas.

O final traz uma surpresa (além de muita ação) e encerra de forma satisfatória a trama desse livro, ao mesmo tempo deixando ganchos para o próximo volume. O que foi outra surpresa, porque até então eu achava que era um volume único (mas não estou exatamente decepcionada por isto).

A revisão ficou boa: só reparei em um ou outro errinho de digitação.

Avaliação:

Trama: 5
Narrativa: 4
Personagens: 4
Caracterização: 5
Coerência: 5
Criatividade: 5
Revisão: 4


Os livros da série:
  1. A Biblioteca Invisível;
  2. The Masked City;
  3. The Burning Page;
  4. The Lost Plot.



Assine a newsletter
Receba em seu e-mail, mensalmente, novidades para escritores, leitores e blogueiros, conteúdo exclusivo e os últimos posts do SI&F.

ou siga as atualizações do blog nas redes sociais:
Facebook | Twitter | Google + | Instagram | Pinterest

2 comentários :

  1. Oie, Laís!
    Tô com o meu exemplar aqui. Mal posso esperar pra ler! Não imaginei que fosse steampunk, só sei que fui atraída pela capa. Agora a história parece ser bem massa também, então já quero conhecer. <3

    Beijos,
    Celly • Me Livrando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Celly!
      Leia sim, o livro é bem divertido! E a capa é bem legal mesmo.

      Abraços e obrigada pela visita!

      Excluir

Sinta-se à vontade para deixar opiniões, dúvidas e sugestões. Se tiver um blog, deixe o link ao final de seu comentário para que eu possa visitá-lo.

Ao comentar, tenha bom senso (ou leia isto), de modo a evitar que seu comentário não seja publicado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...