22 de agosto de 2016

Resenha | O Poço da Ascensão

Título: O Poço da Ascensão (Mistborn: Nascidos da Bruma #2)
Autor: Brandon Sanderson
Ano de publicação: 2015
Editora: Fantasy
Número de páginas: 720
Compre: Submarino | Saraiva | Amazon
Sinopse: A queda do Império Final trouxe a esperança. E despertou mistérios assustadores.
Numa sucessão de golpes de sorte, Elend Venture subiu ao trono de Luthadel, a principal cidade do Império Final. Nos meses que seguiram a queda do Senhor Soberano e a dissolução de seu governo, o novo rei revolucionou as relações entre os skaa – a classe social mais baixa – e os nobres, atraindo a atenção dos diversos governantes das outras partes do grande império.
Dentro das muralhas de Luthadel, o perigo espreita de todos os lados. Assassinos de aluguel alomânticos ameaçam a vida do rei, a desconfiança generalizada faz a população temer pelos rumos da cidade e desejar o retorno do Senhor Soberano, e um inverno inclemente se aproxima. Elend, Vin e o bando de Kelsier tentam manter o controle a todo custo, mas os piores inimigos ainda estão por vir.
Fora das muralhas, arma-se um cerco militar gigantesco. À frente dele, Straff Venture, o pai de Elend, um tirano cruel e desesperado pelo poder, busca invadir Luthadel. E ele não está sozinho.
Reviravoltas e surpresas marcam este segundo volume da trilogia Mistborn - Nascidos da Bruma. O destino de todo o Império Final está envolto nas brumas, e apenas uma força sobrenatural será capaz de desvendar os mistérios que assolam seus habitantes.

O Senhor Soberano está morto, mas os problemas estão longe de terminar. O governo de Elend é fraco pelo seu idealismo e é ameaçado de diversas formas, principalmente pelo próprio pai, Straff Venture, que busca aproveitar o momento de fraqueza e tomar o governo. E este não é o único problema. As brumas vêm se comportando de forma estranha, e há relatos de pessoas que morreram à noite devido a ela. Vin começa a acreditar que o Senhor Soberano estava certo, que ele protegia o mundo de algo ainda pior. Dessa forma, encontrar o Poço da Ascensão e desvendar esse mistério se torna cada vez mais importante.

Depois da morte do Senhor Soberano (que eu esperava que acontecesse lá pelo fim do terceiro livro, e foi algo que me surpreendeu positivamente no primeiro volume), eu não sabia muito bem o que esperar. Tive medo de que este segundo volume me decepcionasse, mas não foi o que aconteceu. Brandon Sanderson conseguiu trazer para Vin, Elend e para a antiga gangue de Kelsier uma tarefa ainda maior e mais difícil, com uma trama cheia de surpresas e reviravoltas. Li o livro nas férias de janeiro, em apenas 4 dias (o que, considerando que o livro tem mais de 700 páginas, significa que durante esse tempo eu não fiz praticamente nada além de ler, de tão presa que a história me deixou).

A narrativa é em terceira pessoa e, como aconteceu no outro volume, se alterna entre os pontos de vista de vários personagens. Entretanto, achei que está ainda melhor que a do livro anterior. Em O Império Final, algumas descrições me tiraram um pouco da leitura, ainda que não tenha sido nada fora do normal; em O Poço da Ascensão, entretanto, isso não aconteceu.

O universo foi expandido, assim como o sistema de magia, que ganhou detalhes muito interessantes. Quanto aos personagens, gostei do fato de o autor ter se aprofundado em alguns deles (como Brisa e Fantasma, por exemplo), mas, obviamente, o foco está em Vin — em como ela aos poucos se torna cada vez mais poderosa e fica cada vez mais preocupada com o que está se tornando. Acompanhar suas inseguranças foi muito interessante. A maneira como a relação entre ela e Elend foi desenvolvida me incomodou, entretanto. Eles passaram boa parte do livro no drama de “ele(a) é bom(a) demais para mim”, e eu senti que isso não acrescentou muito ao livro, além de mostrar que Sanderson nem é tão bom assim nesse quesito, pois havia maneiras muito mais interessantes de mostrar que o relacionamento deles não estava indo assim tão bem.

Em relação ao restante do livro, porém, não vi mais nenhum problema. Há cada vez mais mistérios, o clima de desespero que paira sobre os personagens foi bem utilizado e o final, claro, traz grandes surpresas e reviravoltas, fechando os acontecimentos deste volume ao mesmo tempo em que já deixa os ganchos para o próximo. Há alguns problemas na revisão, mas está melhor do que o livro anterior.

Em resumo, O Poço da Ascensão conseguiu que agradar ainda mais que seu antecessor, e mal vejo a hora de colocar minhas mãos no terceiro volume!

Avaliação:

Trama: 5
Narrativa: 5
Personagens: 4
Caracterização: 5
Coerência: 5
Criatividade: 5
Revisão: 4

★ ★ ★ ★ ✭


Os livros de Brandon Sanderson:

Mistborn - Nascidos da Bruma:

Elantris

Executores:


Assine a newsletter!
Receba em seu e-mail, mensalmente, novidades para escritores, leitores e blogueiros, conteúdo exclusivo e os últimos posts do SI&F.

ou siga as atualizações do blog nas redes sociais:
Facebook | Twitter | Google + | Instagram | Pinterest

Um comentário :

  1. O 3º livro é o melhor de todos, disparado, tenho certeza que o público brasileiro gostará muito do final da trilogia!

    http://desbravandolivros.blogspot.com/2015/05/resenha-o-poco-da-ascensao-brandon.html

    ResponderExcluir

Sinta-se à vontade para deixar opiniões, dúvidas e sugestões. Se tiver um blog, deixe o link ao final de seu comentário para que eu possa visitá-lo.

Ao comentar, tenha bom senso (ou leia isto), de modo a evitar que seu comentário não seja publicado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...