16 de maio de 2016

Resenha | Revista Trasgo - Edição 2

Título: Trasgo – Edição 2
Autor: Rodrigo van Kampen (organizador), Alex Leão (ilustrador), Albarus Andreos, Ana Lúcia Merege, Cristina Lasaitis, George Amaral, Jim Anotsu e Victor Oliveira de Faria.
Ano de publicação: 2014
Editora: Independente
Número de páginas: 100
Sinopse: A revista Trasgo é uma revista de ficção científica e fantasia brasileira, editada trimestralmente. Para esta edição, contamos com a participação de Ana Lúcia Merege com Rosas, um belo conto escrito nas entrelinhas; Victor Oliveira de Faria resgata o sentimento dos clássicos da era de ouro da FC com seu Cinco Bilhões; e Jim Anotsu homenageia o teatro clássico inglês à la cultura pop em Hamlet: Weird Pop. Também temos um pequeno conto cyberpunk, Código Fonte, de George Amaral e um delicioso exercício de estilo de Albarus Andreos com A Maldição das Borboletas Negras. Para fechar esta edição, Cristina Lasaitis nos permitiu publicar seu ótimo O Homem Atômico, um conto urbano entre a ficção científica e a história alternativa.

A Revista Trasgo tem edições trimestrais e tem foco em contos de fantasia e ficção científica. Atualmente, está em sua décima edição e agora é distribuída gratuitamente, sendo que passou a ser financiada pelo Padrim (e você pode contribuir, saiba como fazer aqui).

Li a segunda edição há bastante tempo, mas foi em uma época em que o blog estava parado, então a resenha ficou guardada por um bom tempo. Mas decidi que era hora de finalmente liberar essa resenha, então confiram minhas impressões sobre os contos da segunda edição:

Rosas (Ana Lúcia Merege)


Narrado em terceira pessoa, Rosas começa de modo despretensioso. A narrativa simples, mas ainda assim satisfatória, nos enreda nas particularidades da rotina do professor, um homem ocupado e metódico, e de sua esposa Mildred, que cuida da casa e de suas rosas enquanto o professor passa a semana longe. Aprendemos aos poucos sobre essas nuances enquanto um clima de mistério é construído, então de repente chega o final, que surpreende com algo totalmente inesperado, mas que ainda assim se encaixa perfeitamente com o tom do conto e com os personagens.


Cinco Bilhões (Victor Oliveira de Faria)


O conto apresenta um enredo interessante, apesar de eu ter matado a charada antes de chegar ao final, não sendo surpreendida. Os aspectos científicos foram muito bem utilizados, todos de maneira crível, mas sem incomodar o leitor que tem poucos conhecimentos sobre o assunto. O mundo criado é interessante e foi bem construído, e os personagens são críveis e bem caracterizados. Em alguns momentos, porém, a narrativa é um tanto apressada, às vezes com parágrafos e mais parágrafos com o autor contando a história, em vez de mostrando-a. Teria sido mais interessante se essas informações, que de fato não são tão necessárias de se mostrar, tivessem se diluído na narrativa. Afora isso, o conto me agradou bastante.



Hamlet: Weird Pop (Jim Anotsu)


Não gostei tanto deste, mais devido à temática que à técnica do autor (que é excelente: conseguiu me imergir na história com uma narrativa muito envolvente). A trama é simples: uma conversa entre uma atriz de teatro e uma espécie de duende, que veio trazer um pedido do falecido William Shakespeare impedindo que ela modificasse sua peça, Hamlet. A narrativa mostra, de maneira mais leve e engraçada, a conversa entre a atriz e esse ser. Como já mencionado, não é meu tipo favorito de fantasia, mas o conto ainda assim é muito bem escrito e estruturado.



Código Fonte (George Amaral)


Código Fonte apresenta um tema muito interessante e que geralmente gosto de ler e explorar em minhas próprias histórias: o medo do envelhecimento (o que em minha opinião é apenas um reflexo do medo da morte). O começo é despretensioso: um reencontro de dois colegas de faculdade em um bar futurista. Entretanto, o desenrolar da história foi por um caminho bem diferente do que eu esperava, com uma revelação ao final que o deixou ainda melhor. A escrita é muito boa e me envolveu ao longo de todo o conto, só senti falta de um pouco mais de descrições, o que teria tornado alguns dos momentos mais impactantes, especialmente no final.



A Maldição das Borboletas Negras (Albarus Andreos)


Geralmente eu adoro histórias sobre fantasmas, demônios e coisas afins, e esse conto possui todo o ar de mistério que costuma me atrair, além do diferencial de ser contado sob o ponto de vista do próprio demônio. Entretanto, não gostei da narrativa com um estilo mais poético. O tom é adequado ao ambiente retratado (interior) e serviu muito bem para caracterizá-lo, entretanto, deixou a minha leitura arrastada em alguns momentos. Porém, acredito que tenha sido mais devido ao meu gosto pessoal do que falha do autor: a execução é muito boa.



O Homem Atômico (Cristina Lasaitis)


A narrativa, apesar de não ser o meu estilo favorito (durante a maior parte do tempo contando, em vez de mostrar), envolveu-me na história curiosa de um mendigo que se dizia físico nuclear que trabalhou em um programa secreto durante a ditadura. O conto gira em torno da veracidade ou não dessa história, e o final foi deixado em aberto, o que me agradou. Foram colocadas pistas suficientes para que se deduzisse o que realmente aconteceu, mas ainda assim deixando espaço para a imaginação trabalhar.



***


Confira também:

2 comentários :

  1. Obrigada pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. Agradeço pelas generosas 4 estrelas. Essa história tem muitos pontos a melhorar, e realmente faltou espaço. Hoje, dois anos depois, vejo que poderia ter feito várias coisas diferentes. Até mais! Victor.

    ResponderExcluir

Sinta-se à vontade para deixar opiniões, dúvidas e sugestões. Se tiver um blog, deixe o link ao final de seu comentário para que eu possa visitá-lo.

Ao comentar, tenha bom senso (ou leia isto), de modo a evitar que seu comentário não seja publicado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...